XI Hipócrates – A minha cidade

Começou, por volta das 19h30 de sexta-feira, a décima primeira edição do Festival da Tuna Médica de Lisboa, Hipócrates. Oito membros da Tuna Médica esperavam ansiosamente pelas Tunas que iriam guiar pela bela cidade Lisboeta ao longo de 2, 3 dias que se prometiam inesquecíveis.

A primeira Tuna a chegar foi a ArquitecTuna, pronta para se divertir no seu primeiro festival, o da sua Tuna Madrinha. Vieram com quase quarenta ArquitecTunos cheios de energia para saturar a sua guia, BéuBéu!

Entretanto começam a juntar-se em frente à Cantina Velha da UL os elementos das Tunas a concurso: Viriatuna, Instituna, Real Tuna Infantina e ESTATUNA.

Depois do jantar rumámos ao Atheneu Comercial de Lisboa, que nem velejadores guiados pelo Deus Baco. Foi este o local escolhido para a realização do Cerejas XL, bar-concerto de estreia da banda Iatrofonia, composta por elementos da TML (Tiques, Vítor, Mexa, Feijão e Esquilo).

Aos poucos foram compondo-se as Tunas, melhorando o espírito académico que se viu crescer durante todo o Festival. Entre o “salão de baile” e as Portas de Santo Antão podia ver-se a união da vida Tunante e a calçada lisboeta, que registou todos os momentos deste primeiro dia de Festival.

Neste grande convívio as Tunas puderam aproveitar para estreitar os laços com os seus guias (Timon agradece à Infantina).

Seguiu-se o passeio para chegar ao Liceu Camões, onde as Tunas ficaram alojadas.

Chega sábado e com ele o grande dia do Festival, aquele prometido há vários meses e para o qual tanto nos tínhamos dedicado.

Depois do pequeno-almoço (ou almoço, conforme as horas do dia) todas as Tunas se juntaram no pavilhão para a primeira actividade do dia: o campeonato Fu’Tunas! Sete equipas e três lugares no pódio… As duas equipas da Tuna anfitriã quase se consagravam as vencedoras (1º e 2º lugar), não fossem extraconcurso, tendo o prémio sido entregue à Real Tuna Infantina, mais tarde, no Espectáculo.

Este ano, o XI Hipócrates contou com a presença de cinco fantásticas Tunas, sendo que uma delas, a ArquitecTuna, a Tuna afilhada da Tuna Médica de Lisboa, não se encontrava a concurso.

A ArquitecTuna, que ainda só tem cinco aninhos, é formada por vários talentos em ascensão da Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa.

De seguida actuou uma Tuna com uma década de experiência, a Viriatuna, Tuna Mista da Escola Superior de Saúde de Viseu, vinda directamente da terra do chefe do exército lusitano, que dá ainda nome ao festival Viriatus, que organiza desde 2005. A segunda Tuna a animar a noite foi a Instituna, Tuna Mista fundada a 11 de Maio de 1993 por membros do Instituto Politécnico de Leiria. Desde 2003 que a Instituna organiza também o seu próprio festival de Tunas mistas, o Fitumis, que conta sempre com a presença de várias Tunas do país. Seguiu-se a grande vencedora da noite, a Real Tuna Infantina, Tuna Mista nascida a 15 de Maio de 1995 e formada por estudantes da Universidade do Algarve que com os seus trajes azuis fizeram recordar o mar algarvio… Também a Real Tuna Infantina se associa todos os anos a instituições de solidariedade, para os quais revertem as receitas do festival que organizam anualmente, o Mistuna. Por fim, a última Tuna a concurso a subir a palco foi a ESTATUNA, formada no ano lectivo de 1999/2000, no mesmo ano em que foi fundada a Escola Superior de Tecnologia de Abrantes. Também a ESTATUNA trabalha todos os anos para organizar o seu próprio festival, o fESTA, que se realiza na cidade de Abrantes.

Foi a Tuna anfitriã, a Tuna Médica de Lisboa, que subiu a palco para abrir o festival e com ela actuou pela primeira vez  a Ana Dildo, mais recente aquisição TMLica. Nada melhor do que iniciar o festival cujo tema era “A Minha Cidade” com o medley “A Canção de Lisboa”, adaptado do filme com o mesmo nome. Depois de todas as tunas referidas anteriormente actuarem, a Tuna Médica voltou a subir a palco para encerrar o XI Hipócrates. Desta vez o grande público teve o prazer de ouvir “Adeus da Primavera”, uma das mais recentes adaptações da TML de duas músicas dos Madredeus, “Lisboa à Noite”, “Cachopa”, original da TML, o “Fado do Estudante” e claro, os conhecidos “Tomates”.

Foi também durante o espectáculo de sábado à noite que a Tuna Médica de Lisboa oficializou o apadrinhamento da ArquitecTuna. Para simbolizar este importante momento, a TML entregou à Tuna afilhada uma radiografia onde estava representado o símbolo da nossa Tuna. De seguida, a ArquitecTuna surpreendeu a Tuna madrinha com a oferta de um novo instrumento: um Cajón feito pelos próprios ArquitecTunos. Obrigada Afilhados!

Quase, quase no final do espectáculo a Tuna Médica de Lisboa decidiu juntar a esta grande família mais dois membros. Assim, os pais do Quedas, membro da TML, como forma de reconhecimento da grande ajuda e apoio que têm dado à nossa Tuna,  tiveram o privilégio de ver as suas capas traçadas pelo próprio filho e assim tornaram-se Membros Honorários da Tuna Médica de Lisboa.

Merece ainda referência que este ano a Tuna Médica de Lisboa associou o XI Hipócrates ao Movimento ao Serviço da Vida – uma instituição de solidariedade que ajuda crianças e jovens em perigo, pessoas sem abrigo e pessoas com idade mais avançada. Durante a divulgação do Festival e durante o próprio foi feita a recolha de alimentos e produtos de higiene e limpeza para que depois pudessem ser entregues ao MSV.

Terminado o Espectáculo, foi altura de ir para o Campo Santana. No meio de muita música e alegria, o bombeiro Timon deixou a sua bata branca e passou a Tuno, festejando não só com a própria Tuna mas também com aqueles que guiou durante o fim-de-semana, os Azuis que vêm de longe. Foi no “Jardim do Velho Campo de Santana” que fizemos a festa até depois do sol nascer!

Domingo foi o dia da despedida, de um até à próxima já com saudades do Festival que ali acabava, que permitiu fazer grandes amizades e nunca esquecer o espírito que nos une.

Queremos agradecer a todos aqueles que fizeram do XI HIPÓCRATES, o Festival da Nossa Cidade e um festival de que nos podemos orgulhar!

Miguel “Timon” Paiva e Vanessa “Niagara” Andrade

Posted in Hipócrates and tagged as