Mulher dos Cais

Lisboa, mulher
Dos cais, castelo e velhas ruas,
Tens n’alma o Tejo e vais
Ouvir’histórias tão tuas.

Do Rossio ao Bairro Alto,
Em Glória, levas atrás
Segredos, a calçada
Contigo p’ra onde vás.

Trazem contos de fadas tantos
E a alegria de te ver
Aqui minha cidade
Voltarei para morrer

Da ponte vêem-se as luzes,
As ruelas e a cantar
Encosto-me assim e vejo
Mais um barco a passar.

Gente que vai conquistar
Um sonho só meu.
O fado, um barco a voar
Horizonte que é teu.

A saudade,
Que o tempo apregoa
Longe de Lisboa

Refrão
Cidade Eterna, assim,
Que canto só por amar,
Este fado, meu pranto sem fim.
Lisboa, Cidade Amor,
Segredos em cada flor,
E o Tejo que chama por mim.

Sonho eu sigo sem pressa
Pl’as ondas do…MAR!
E a noite que assim começa
Anuncia o luar

Em viagem,
Maresia que entoa
Longe de Lisboa

Refrão 2
Adeus cidade eterna, assim
Que canto só por amar
Este fado, meu pranto sem fim
Adeus Lisboa, cidade amor
Segredo em cada flor
E o Tejo que chama por mim

Cidade, eterna amor,
Segredos em cada flor,
E tu Lisboa que chamas por mim.

Posted in Cancioneiro and tagged as , , , ,